Desde que foi criada a Nota Fiscal Paulista os governos de todos os estados do Brasil passaram a estudar seu funcionamento, pensando em adequá-lo para seu próprio estado, afinal, é um sistema que deu certo e muitas pessoas estão utilizando e não abrem mão de exigir o CPF na nota fiscal de suas compras, e o governo do Amazonas está para lançar a Nota Fiscal Amazonense.

Nota Fiscal Amazonense
Nota Fiscal Amazonense – Foto: SEFAZ-AM

Nota Fiscal Amazonense, cadastrar, saldo, sorteios

Como todos os sistemas criados atualmente a Nota Fiscal Amazonense irá ter seu funcionamento online, onde o cidadão poderá realizar suas consultas e conferir seus créditos disponíveis.

Cada estado tem seu funcionamento, como em São Paulo onde os créditos podem ser usados para abatimento de IPVA ou podem ser solicitados em sua conta bancária, ou como no Rio Grande do Sul que através da Nota Fiscal Gaúcha repassa os créditos a instituições de caridade, independente do funcionamento todos os sistemas tem em comum o repasse para o contribuinte de uma porcentagem do valor recolhido do ICMS.

Apesar de ainda estar tramitando o projeto que prevê a implementação da Nota Fiscal Amazonense no estado é possível que a mesma seja implementada em breve já que é um serviço em prol de população, por isso não deve encontrar resistências para sua aprovação.

Cadastrar na Nota Fiscal Amazonense será um processo simples, semelhante aos outros estados, onde o cidadão deverá acessar o site oficial do programa (ainda não divulgado) e preencher um cadastro informando seus dados, e escolhendo uma senha de acesso, é através dela que o cidadão irá acessar o site e poderá assim fazer consultas ao seus saldo e conferir os sorteios da mesma.

E você acha que a iniciativa da Criação da Nota Fiscal Amazonense é válida e trará benefícios aos cidadãos do Amazonas? Compartilhe sua opinião através dos comentários abaixo, queremos saber o que esta achando.

A Escola Estadual Estelita Tapajós, em Manaus, Amazonas, recebeu recursos do Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE) e será premiada pelo seu desempenho recebendo novos recursos do Fundo de Desenvolvimento da Escola (Fundescola).

Com o dinheiro, a escola investiu na mudança de comportamento dos alunos. Antes, eles pichavam e sujavam toda a escola. Quando a escola recebeu os recursos do PDE, promoveu uma série de palestras e criou um projeto de Educação Ambiental. Hoje não existem mais pichações.

Escola Estadual Estelita Tapajós
Escola Estadual Estelita Tapajós – Foto:Divulgação

Resposta de carta – A ouvinte “geminiana sofredora”, da comunidade de Lagoa do Maurício, em Macaúbas, Bahia, reclama que tem dificuldades em estudar. O professor diz que ela não vai passar de ano porque não estuda. A secretária de Educação, Eliana Costa Cardoso, explica que vai até a escola saber o que está acontecendo e que a ouvinte pode participar de uma classe de aceleração no próximo ano.

A partir da polêmica surgida no Escola Brasil ( “melancia é fruta ou não?”) fomos investigar a história com um especialista no assunto. O técnico agrícola, Raimundo Nonato de Carvalho, afirma que melancia é hortaliça frutífera e pode ser também chamada apenas de fruta. Ele fala das propriedades nutricionais da melancia e garante que a semente também pode ser consumida na alimentação, misturando-se a farinha da semente em bolos e biscoitos.

O Fala Brasil, através do telefone 0800 61 61 61, recebeu nos dez primeiros meses do ano 650 mil ligações. Por este telefone podem ser obtidas informações gratuitas sobre programas do Ministério da Educação e pedidos documentos sobre reformas do ensino fundamental, médio e profissionalizante e sobre o Censo Escolar. O serviço Fala Brasil funciona de segunda a sexta-feira, de oito da manhã às oito da noite.

Luiz Alberto comenta cartas de ouvintes. Raimunda Silva Barbosa, de Carolina/MA, aproveitou para dizer que os Correios da cidade não estão aceitando a Carta Social. Maria Liduína, de Rurópolis/PA, também tem o mesmo problema.

Assim, o matuto aproveita para explicar o que é a Carta Social. Ele também fala das cartas das ouvinte Socorro Dutra de Bairros, de Aripuanã/MT e de Rosimeiri de Lourdes da Silva, de São Miguel do Guaporé/RO. A Rosimeiri mandou também uma folha de papel com as primeiras letras do filho dela, o Eduardo Bonfá, de 5 anos, que está aprendendo a ler e a escrever.

No final, o Luiz fala da carta da Hyade Gelza Almeida, de Novo Paraíso, em São Geraldo do Araguaia/PA, que mandou uma carta toda bordada e foto dos três filhos durante a colheita de acerola. No verso, ela escreveu: “esta é uma prova de que o Brasil é um país tropical e que em se plantando, tudo dá”.